O divórcio é uma guerra - Juntos Por Toda Vida
17206
post-template-default,single,single-post,postid-17206,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-10.1.2,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1,vc_responsive
 

O divórcio é uma guerra

O divórcio é uma guerra

Você já observou como começa um guerra? E como termina?

Eu quero começar este texto provocando uma reflexão em você!

Certamente a guerra começa com a ausência do diálogo e o excesso de provocações.

Quem inicia uma guerra sempre encontra um motivo, mesmo que não exista, mas tem que ter uma justificativa, a guerra é uma competição de egos, orgulho e sede de vingança. Todos estes, são gatilhos que disparam uma guerra e viram uma tragédia, por tempo indeterminado, visto que resultados de uma guerra, são herdados por outras gerações, e o pior como termina uma guerra? Poderíamos detalhar o final, mas como vai tomar muito tempo, quero resumir, o resultado é “muitos mortos e muitos feridos” na prática a guerra não tem vencedores, os que sobrevivem a uma guerra, trás consigo pelo resto da vida traumas irreparáveis, que prejudica o ser humano, a família e toda uma sociedade. Países que viveram período de conflitos demoram décadas para a sua recuperação tanto econômica quanto social.

E O DIVÓRCIO? Observe que se parece muito com uma guerra, como começa o divórcio? E como termina? Este começa no namoro, no casamento é só o resultado do que já foi iniciado na primeira fase, precisaríamos de muito tempo para explicar como começa no namoro, mas assim como em uma guerra, começa com a ausência do diálogo, e excesso de provocações, como por exemplo: “é que você não vale nada, o outro responde, me respeita quem não vale nada é você, me arrependo de ter casado com você”, “você é irresponsável”, “você não se importa comigo”, observemos aqui uma competição de egos, de razão, um querendo ser melhor do que outro, provocações como esta é muito perigosa e pode terminar em divórcio, assim como acontece em uma guerra, um processo de divórcio pode demorar muito tempo, e mesmo quando se encerra na esfera judicial, ainda continua na esfera familiar, e da mesma forma as heranças de um divórcio, são herdados pelas próximas gerações, e quando parece que chegou ao fim, existem muitos mortos e outros feridos, afetando o ser humano emocionalmente, mentalmente e fisicamente, acabam com as expectativas de um dia quem sabe ter um relacionamento outra vez saudável e feliz.

A recuperação de um divórcio é bem parecida como de uma de guerra, pode se demorar anos, e muitos procuram tratamentos psicológicos para vencerem os traumas e sentimentos negativos adquiridos. O aumento do stress, a baixa autoestima, o complexo de inferioridade, a culpa, a incerteza, a desconfiança, entre outros sentimentos são adquiridos no divórcio. Em um estudo com mais de 10.800 mulheres publicados no American Journal of Epidemiology , em 2002, os pesquisadores descobriram que os eventos de vida estressantes, como divórcio foram “associados a um risco aumentado de câncer de mama”.

A terapeuta Charlotte Friedman diz que os problemas enfrentados pela ala feminina pós-divórcio são diferentes de acordo com seu estágio da vida. “Para as que estão com 30 anos, a preocupação é frequentemente sobre como elas vão conseguir sobreviver, principalmente se há crianças envolvidas”, afirmou ao Daily Mail .

Segundo ela, as mais velhas, por volta dos 50 e 60 anos, sofrem com a ansiedade de se verem sozinhas justamente no momento em que se encaminham para a velhice. “Elas se sentem invisíveis no mundo exterior, e não têm como certo que vão encontrar alguém com quem compartilhar o resto de sua vida.” Nos Estados Unidos o divórcio é tão estressante que foi classificado como estresse pós-traumático, a mesma condição vivida por vítimas de acidentes ou soldados em zonas de guerra.

As mulheres são duas vezes mais propensas a sofrer com este problema, com flashbacks que incluem comportamento antissocial, ansiedade elevada, insônia e doenças psicossomáticas. E se mesmo assim a decisão da separação veio por parte dela, a culpa e o vazio podem lhe tomar a alma. Charlotte Friedman explica: “O casamento pode ter sido infeliz, mas ainda é uma perda com a qual a pessoa tem de lidar.”

Se você conhece alguém que está vivendo este processo, não tenha dúvidas, ajude, encoraje-o a levantar a bandeira da paz, acabar com essa guerra, pois não existem ganhadores. Conte conosco para esse momento, entre em contato, podemos te ajudar.